A problemática mundial da soja requer soluções também mundiais. Considerando a abrangência e a urgência dos problemas sociais e ambientais provocados por sua produção, transporte, processamento e consumo, a Articulação Soja Holanda chama a todos os atores relevantes a contribuírem na redução destes problemas.

Quais os problemas?

Nos últimos anos, a soja se tornou um dos mais importantes produtos agrícolas mundiais. Sendo rica em proteínas, é utilizada na Europa principalmente na produção de ração animal. A Holanda é – depois da China – o maior importador de soja do mundo e um ator importante no mercado mundial como grande processador.

Na América do Sul tornou-se uma das principais causas de destruição da natureza, pois grandes áreas de florestas tropicais e do Cerrado são derrubadas para dar lugar ao cultivo. Sua expansão é acompanhada de conflitos pela terra, violação de direitos trabalhistas, poluição ambiental, erosão do solo, problemas de saúde, perda da segurança alimentar local e de postos de trabalho.

  • perdem-se, anualmente, 1,5 a 2 milhões de hectares de floresta tropical e cerrado para o cultivo da soja (metade da área da Holanda);
  • pequenos agricultores e comunidades locais são expulsos de suas terras para dar lugar ao cultivo em grande escala;
  • o cultivo gera poucos empregos. Simultaneamente, as condições de trabalho em algumas áreas de produção são abomináveis;
  • a soja é produzida para exportação e não contribui com a produção de alimentos para o mercado local;
  • noventa por cento de toda soja produzida é utilizada para ração animal. Com isso, ela é uma importante propulsora da pecuária intensiva, um setor que gera graves problemas de poluição e sofrimento aos animais, contribuindo para uma distribuição injusta de alimentos;
  • o uso de sementes geneticamente manipuladas tem aumentado gradativamente. Além do fato desta ainda ser uma tecnologia de efeitos imprevisíveis, seu uso já provoca um aumento no uso de adubos químicos e agrotóxicos. As conseqüências são, entre outros, erosão, poluição da água e problemas de saúde.

A pecuária intensiva na Holanda faz uso em grande escala da soja produzida na América do Sul. Cerca de noventa por cento da soja importada é transformada em ração animal. Principalmente os criadores de aves, suínos e gado de corte se aproveitam do baixo preço. Por estas razões, enquanto a Holanda é obrigada a lidar com o grave problema do excesso de produção de esterco, na América do Sul os nutrientes extraídos são repostos com enormes quantidades de adubos químicos poluidores. Simultaneamente, a importação a baixos preços prejudica a produção de ração animal sustentável na Holanda e na Europa, por não conseguirmos produzir a um preço competitivo.

O que é a Articulação Soja Holanda?

Dez organizações da Holanda se uniram para formar a Articulação Soja Holanda: Both ENDS (coordenação), WWF, Stichting Natuur en Milieu, Comitê Nacional Holandês para a UICN, Amigos da Terra Holanda (Milieudefensie), Oxfam Novib e Solidaridad. A agência de pesquisa e assessoria sem fins lucrativos AIDEnvironment, dá apoio técnico-científico.

A problemática mundial da soja requer soluções também mundiais. Por isso, a Articulação Soja Holanda trabalha junto com um grande número de organizações na América do Sul, Europa, EUA, Índia e China. Desta maneira, tem contato com ongs, movimentos sociais e ambientais sul-americanos, organizações representantes de populações locais vítimas da expansão das lavouras de soja, entidades representativas de agricultores familiares que cultivam soja, organizações e movimentos que fazem campanha contra a política agrícola da Organização Mundial do Comércio – OMC, além de organizações voltadas para as discussões sobre a introdução e conseqüências da soja transgênica.

Declaração da Missão da Articulação Soja – Holanda (sigla em holandês: DSC)

O cultivo de soja está causando graves impactos sociais e ambientais nos países produtores de soja. Tais impactos incluem desmatamento, conflitos agrários, poluição, e problemas de saúde causados pela aplicação de agrotóxicos. Uma vez que a Holanda é o segundo maior importador de soja no mundo, as Organizações da Sociedade Civil Holandesa uniram suas forces para formar a Dutch Soy Coalition – DSC [Articulação Soja Holanda] a fim de apoiar e complementar o trabalho de suas organizações parceiras nos países produtores de soja.

DSC conclama todos os atores na cadeia de valor da soja – dos produtores aos consumidores – a adotar medidas concretas para reduzir os impactos sociais e ambientais causados pelo cultivo de soja. Os atores não devem buscar somente uma produção e soja mais responsável; o consumo de soja também deve ser reduzido. Para os próximos cinco anos, DSC elaborou a seguinte missão, visão e estratégia, promovendo três elementos-chave de mudança.

1. Missão

Nós, a Articulação Soja Holanda, temos por objetivo reduzir os impactos sociais e ambientais negativos do cultivo, transporte, processamento e consume de soja.

2. Visão

Para realizar nossa missão, a Articulação Soja Holanda trabalha com uma combinação de temas, visando diferentes públicos.

2.1 Os temas: RSR

Soja Responsável

Duas atividades têm por objetivo tornar a cadeia de valor da soja mais responsável:

  • Reduzir os impactos da produção de soja, ou introduzir melhorias no sistema de produção: Aqui, nós temos por objetivo reduzir os impactos ou introduzir melhorias que estão relacionados a aspectos do atual sistema de produção. Exemplos disso o são aperfeiçoar as práticas de manejo ou possibilitar que agricultores familiares produzam soja certificada.
  • Possibilitar a sustentabilidade ‘plena’, ou melhorar o sistema: Aqui, nosso objetivo é realizar a sustentabilidade ‘plena’ na produção de soja, abrangendo uma gama mais ampla de questões, inclusivo direitos dos agricultores (familiares), diversidade de sementes e relações de poder dentro da cadeia produtiva.

Substituição

Um dos principais usos da soja é como ingrediente de ração animal. As atividades desenvolvidas nesse tema visam a substituição da soja na ração por outros ingredientes ricos em proteínas. Essas atividades incluem, por exemplo, pesquisas e projetos-piloto com culturas alternativas para ração animal que podem ser produzidas na Europa. Ao reduzir a demanda de soja dessa maneira, as ameaças provocadas pela expansão da produção de soja na América do Sul podem ser revertidas.

Redução

Essas atividades têm por objetivo reduzir o consumo (de carne). Uma vez que a soja é utilizada principalmente na ração animal, a redução no consumo de carne pode contribuir para uma diminuição no impacto da (expansão da) produção de soja. Um exemplo de atividade desenvolvida nesse tema é a conscientização dos consumidores sobre a relação existente entre consumo de carne e impactos da produção de soja na América do Sul. As atividades também abordam outro destino significativo da soja, a utilização em biocombustíveis. Os membros da Articulação Soja Holanda trabalham, em colaboração com outras ONGs que atuam nesse tema, na redução da utilização de matérias-primas obtidas de maneira não-sustentável como biocombustível.

2.2 O público-meta

Para realizar nossa missão, a Articulação Soja Holanda busca sensibilizar e trabalha com cinco tipos de atores.

  1. Organizações da Sociedade Civil (Organizações parceiras na América do Sul e Organizações Européias)
  2. Governos (Locais) (Principalmente organizações governamentais da Holanda e instituições da União Européia)
  3. Produtores (Familiares, de média e de grande escala)
  4. Instituições industriais e financeiras(Da Holanda e internacionais e organizações setoriais)
  5. Consumidores e a mídia (Na Holanda)

Declaração da Missão da Articulação Soja

O que você pode fazer?

Consumidores

Com campanhas públicas, a Articulação Soja chama a atenção dos consumidores para os efeitos negativos – muitas vezes desconhecidos – do cultivo e da expansão da soja, destacando principalmente os seguintes pontos:

  • a relação que há entre o consumo (de carne) na Holanda e a deterioração da situação socioeconômica e ambiental nos países produtores. Reduzindo o consumo e consumindo de maneira mais consciente (por exemplo, carne orgânica) todos podem dar sua contribuição;
  • pela adoção de critérios para a compra de soja, importadores e processadores podem estimular uma produção de soja mais responsável. Os consumidores podem, junto com as organizações da Articulação Soja Holanda, exercer pressão sobre estas empresas;
  • ao solicitar informações sobre a origem da soja no supermercado ou nas empresas, por exemplo, os consumidores podem pressionar para que o empreendedorismo com responsabilidade social seja levado a sério.

Empresas

As empresas também têm responsabilidades em relação � problemática da soja. Uma ampla articulação de organizações não-governamentais brasileiras elaborou critérios mínimos, sociais e ambientais, para a produção. Os requisitos mínimos representam, para os integrantes da Articulação Soja, a base para o diálogo com empresas, multinacionais e bancos com sede na Holanda.

Os requisitos mínimos que foram estabelecidos são:

  • a soja é produzida com observância da legislação local relativa � propriedade da terra, aos direitos trabalhistas, ao meio ambiente e � liberdade de organização;
  • a produção e o transporte de soja não causam impacto negativo em áreas de grande importância ecológica, tais como as florestas tropicais, o Cerrado e o Pantanal;
  • a produção de soja atende os requisitos ambientais internacionais e nacionais relativos a uso e gestão de água e solo;
  • a soja é produzida em propriedades cuja área máxima é limitada (tendo em vista a proteção da biodiversidade e dos agricultores locais e para evitar a erosão);
  • a soja não pode ser oriunda de áreas que foram desmatadas após uma determinada data, a ser fixada, a fim de evitar o avanço do desmatamento;
  • os agricultores familiares devem ter acesso ao mercado;
  • a soja não é geneticamente modificada.

Governo

O papel das autoridades nacionais na sustentabilidade da cadeia produtiva de soja é de importância crucial. Eles devem elaborar instrumentos normativos que obriguem as empresas a adotar medidas concretas. Os inovadores devem ser recompensados e a resistência � s mudanças deve ser desencorajada. O setor empresarial também se beneficiará de normas claras que se apliquem a todas as empresas. Nada de dois pesos e duas medidas! Somente as autoridades podem garantir isso. Neste âmbito, a Articulação Soja Holanda estimula o desenvolvimento destes instrumentos.

Para mais informações

Coordenação da Articulação Soja Holanda

Both ENDS

Fone: +31-20-6230823

nsc@bothends.org

www.sojacoalitie.nl